Créditos da foto: tumblr bendita cuca.


Já faz um tempo que me faço essa pergunta, dia sim dia não eu paro tudo que estou fazendo e fico lembrando tudo que éramos e me perguntando, por que não eu? 


Foi alguma coisa que eu disse? Talvez tenha sido, quando fico nervosa eu tenho essa mania de falar tudo que me vem na cabeça gesticulando até as mãos começarem a doer. 


Foi alguma coisa que eu fiz? Será que meu amor totalmente cego te sufocou e fez com que você se afastasse de mim sem que eu percebesse? Será? 


Às vezes eu fico no meu canto calada, apenas sonhando acordada e imaginando nós dois, imaginando como seria nossas vidas se tivéssemos tido um pouco mais de coragem pra dizer o que sentíamos naquele tempo, sei que agora isso não resolve nada e provavelmente nunca ficaremos juntos, mas me dá uma falsa e momentânea  felicidade pensar que poderíamos ter sido felizes juntos. 


Eu fico feliz com a ideia de que namoraríamos por um tempo, nos conheceríamos melhor e faríamos muitos planos, amadurecíamos juntos e teríamos algumas brigas como em qualquer relacionamento e isso nos faria mais fortes, um tempo depois casaríamos em uma praia; eu de vestido branco, descalça, cabelos ao vento e você de bermuda, regatas e talvez um chinelo, por que não? Seria uma cerimônia simples, poucos convidados apenas nossas famílias (o que já seria muita gente) e os amigos mais próximos. 

Viveríamos de forma simples, mas de forma plena. Criaríamos lembranças inesquecíveis e que depois de um tempo dividiríamos com  nossos filhos. Teríamos três filhos; uma menina linda e dois meninos, dois cachorros e um gato. Viajaríamos no meio da semana e deixaríamos o parque, cinema e andar se bicicleta para os finais de semana ou quem sabe feriados. 

Veríamos nossos filhos falarem as primeiras palavras, darem os primeiros passos,  viver a primeira e mais dolorosa decepção amorosa, e ajuda-los no eterno cair e levantar que é a vida. Veríamos eles seguirem nossos passos em algumas coisas e em outras tomarem um rumo diferente. 

Por fim, envelheceríamos juntos depois de viver uma vida plena; cheia de  alegrias e momentos bem vividos, lado a lado. Gosto de pensar que eu seria a primeira a partir desse plano, afinal eu sempre fui tão certa de tudo, tão coerente com meus sentimentos por você e penso que ser egoísta nessa última parte em fazer com você sinta minha falta depois de tudo seja a forma de redenção, da sua redenção por não ter percebido antes que sempre fui eu. 
Agora de volta a realidade as lágrimas quentes e incessantes correm pelo meu rosto ao perceber que minha mente foi longe demais e aqui estou pensando, por que não eu? Por que não eu? Por quê?




Deixe um comentário

Tecnologia do Blogger.